7 Sinais de que precisa de investir na sua Autoridade Digital

7 Sinais de que precisa de investir na sua Autoridade Digital

Construir a sua autoridade digital é essencial para o sucesso do seu site, empresa ou até da sua carreira pessoal. Atualmente, a presença digital faz parte do processo de crescimento de qualquer negócio. Quanto mais autoridade alguém tiver num determinado assunto, mais essa pessoa será procurada; consequentemente, melhores serão os resultados. 

 

A autoridade digital reforça o respeito e a credibilidade de uma pessoa ou empresa, e aumenta seu lucro. Essa autoridade é fulcral para estabelecer uma relação mais duradoura com o público e até mesmo com parceiros comerciais, que se interessarão em associar os seus nomes consigo. 

 

Ao mesmo tempo, é possível detetar quando é que a construção de uma autoridade digital não está a funcionar. Por isso, reunimos sete sinais que indicam se este é o seu caso.

 

1. Está a fazer vendas diretas em vez de educar

 

Ainda que a responsabilidade das vendas seja principalmente da publicidade e do marketing, não deve ser o único objetivo de uma empresa para com o público. Para se transformar numa autoridade digital de facto, é preciso fazer mais do que apenas transmitir informações sobre um produto. Isso é algo que qualquer pessoa pode descobrir e reproduzir. O que uma autoridade digital faz é educar, demonstrando ter conhecimentos além dos básicos sobre aquele assunto.

 

O produto que vende pode ser um carro, um eletrodoméstico, um caderno ou até mesmo itens não materiais, como cursos. O que mais convencerá as pessoas de que a sua empresa é melhor do que os seus concorrentes é o seu conhecimento sobre o produto. A sua autoridade está envolta nisso, então não venda de forma genérica: ensine.

 

2. Está a criar conteúdos estáticos, e não dinâmicos

 

Sejam postagens nas redes sociais ou o site da empresa, há uma grande diferença para o público final se o conteúdo é estático ou dinâmico. O primeiro já chega ao público pronto e definido, enquanto o segundo permite interação. É importante afirmar que conteúdos estáticos não são de todo um faux-pas na internet, mas a sua utilidade varia de acordo com as necessidades da empresa. Como regra, o dinamismo é melhor recebido.

 

No caso dos sites, por exemplo, o conteúdo estático pode ser útil em casos que não abrem espaço para muita interação e nos quais não há atualização das informações com frequência, nem mesmo uma loja virtual. Já o conteúdo dinâmico é o mais indicado para quem está a construir a sua autoridade digital. Mesmo que seja o mais entendido no assunto, não é recomendável que se “feche”. O dinamismo possibilita que as pessoas se relacionem e se sintam bem ao consumir o seu conteúdo.

 

3. Prima pela comunicação unilateral ao invés de bilateral

 

Este problema relaciona-se com o anterior, especialmente no que diz respeito à interação. A comunicação da sua empresa não precisa se restringir a um único tipo de plataforma. É possível trabalhar com a internet e com os media tradicionais ao mesmo tempo. Porém, o público contemporâneo preza muito a comunicação bilateral. As pessoas gostam de falar, informar, reclamar e fazer com que as suas vozes sejam ouvidas. Mais do que isso: gostam de participar.

 

Se o virem como uma autoridade, irão pedir sua ajuda ou orientação. Algumas podem tentar testá-lo, mas não fuja disso. Deixar um canal aberto para que o público o possa questionar é uma prova de que está confortável com o tema e garante a veracidade da sua autoridade. Pelo contrário, se a sua comunicação for apenas unilateral, dará espaço à desconfiança.

 

4. Há ausência de interação 

 

Talvez já tenha reparado que os gastos na página do Facebook ou as visualizações no YouTube não se estão a transformar, efetivamente, em vendas. Isso acontece porque muitos dos cliques que as empresas recebem na internet são de curiosos e não necessariamente de interessados. Há uma diferença fundamental entre eles.

 

Atrair um público curioso é válido e pode gerar algum rendimento, mas o mais importante é conquistar o público-alvo. A autoridade digital também auxilia nisso. Ao tornar-se uma referência em determinado assunto, mais facilmente será encontrado pelas pessoas que estão à procura justamente do que tem para oferecer. Pelo contrário, depender só da publicidade acaba por atrair pessoas que não o encontrariam naturalmente e por vontade própria.

 

5. Há falta de identificação do canal com os usuários

 

Este sintoma vem na sequência do item anterior. Digamos que tem uma clínica que auxilia homens com disfunções eréteis. A sua clínica tem uma página no Facebook. Ao verificar os dados sobre os seguidores da página, tem uma surpresa: a maioria é composta por mulheres de 20 a 30 anos. Será esse realmente o público que deseja para esta página?

 

Claro que podem existir públicos heterogéneos, mas todos os produtos têm um público-alvo. A autoridade digital será uma ferramenta eficaz para atrair quem realmente precisa dos seus serviços, e não apenas quem o segue por curiosidade.

 

6. Há ausência de automação nas campanhas (redes sociais – blog – landing pages – e-mails)

 

Não pode deixar seus canais de comunicação parados! Seja nas redes sociais ou através do e-mail marketing, os novos conteúdos precisam de ser postados frequentemente. A autoridade digital também é construída através da repetição, e é muito perigoso deixar que o público esqueça da empresa.

 

Existem agências e ferramentas específicas para a automação do marketing digital. Estas ferramentas permitem gerir as campanhas e as ações promocionais da sua empresa nas diferentes plataformas. 

 

7. Queda nas conversões

 

Além das vendas de um produto, há outros tipos de conversões que seu público pode fazer. Por exemplo, quando se inscreve no seu blog ou fornece o e-mail em troca de um material. Há ainda a conversão social, que acontece quando uma pessoa partilha o seu conteúdo ou anúncio com amigos, mesmo que não o adquira.

 

Se notou uma queda na taxa de conversões, pode ser uma indicação de que precisa de melhorar a sua autoridade digital. Com a confiança que a autoridade gera, é mais provável que as pessoas forneçam seus dados ou que partilhem as suas publicações com amigos e familiares. 

 

No fim de contas, a autoridade digital serve para tornar a sua relação com o público mais confiável, interativa e respeituosa. O resto vem a partir daí.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *